Especial: 10 hacks para deixar..

Especial: 10 hacks para deixar qualquer um paranóico.

 

Invasão de caixas eletrônicos, roubo por RFID, ataques a dispositivos médicos. Listamos casos que podem tirar o sono de muito profissional de segurança.

Qualquer dispositivo com capacidade computacional pode ser hackeado, mas nem todos os métodos de hacking se assemelham. Na verdade, em um mundo no qual dezenas de milhões de computadores são comprometidos por malwares todo ano, os ataques inovadores, que geram reflexão e surpresa, ainda são raros e espaçados entre si.

Esses ataques extremos se distinguem dos comuns, que vemos no dia a dia. Isso se deve tanto pelos alvos pretendidos quanto pelos métodos aplicados – antes desconhecidos, inutilizados ou muito avançados. São medidas que ultrapassam o limite do que os profissionais de segurança julgam ser possível, abrindo os olhos do mundo para novas ameaças e vulnerabilidades do sistema enquanto conquistam o respeito de seus adversários.

Entre algumas dessas iniciativas recentes e antigas, separamos dez que consideramos os mais impressionantes:

Caixa eletrônico

A maior parte dos caixas eletrônicos contém computadores com sistemas operacionais populares. Na maioria das vezes, rodam Windows ou alguma versão do Linux. É comum que esses sistemas incluam implementações de algum conhecido (como extensões em Java) por seus bugs e facilidade de ser hackeado. Para piorar, essas máquinas raramente são atualizados e as que são não seguem a periodicidade adequada.

Além disso, o sistema operacional dos caixas eletrônicos possui suas próprias vulnerabilidades, muitas de fácil exploração até poucos anos atrás. Os fabricantes enviam os caixas a seus clientes com senhas compartilhadas padrão e métodos comuns de acesso remoto, agravando ainda mais os riscos de segurança.

Naturalmente, eles orientam os destinatários a alterarem os padrões, mas poucos o fazem. O resultado é óbvio: cheios de dinheiro, os caixas são constantemente hackeados, tanto fisicamente quanto por suas portas de acesso remoto.

O mais infame dos hackers de terminais bancários foi Barnaby Jack, falecido em 2013. O cibercriminoso divertia as plateias de congressos de segurança quando levava máquinas comuns ao palco e as fazia expedir dinheiro falso em questão de minutos. Entre a vasta gama de truques dos quais dispunha, o mais comum se baseava em um pen drive com malware plugado nas entradas das máquinas, que não costumam ser protegidas mesmo com a recomendação dos fabricantes.

O software de Jack se conectava ao caixa através de uma porta de rede conhecida, usando acesso remoto para explorar uma vulnerabilidade que então comprometia completamente a máquina. Executando alguns comandos administrativos, o hacker instruía o caixa a liberar o dinheiro. Sempre seguidas de aplausos, as apresentações de Jack levaram à criação do termo “Jackpotting”, que batizou o método de hacking.

Marca-passo

Quando a tática de exploração de caixas eletrônicos foi descoberta pelos fabricantes dos terminais, Barnaby Jack voltou sua atenção aos dispositivos médicos. Suas demonstrações mais extremas incluíam o envio não autorizado e letal de choques a pacientes com marca-passos e dosagens extremas de insulina a diabéticos – tudo de uma localização remota.

Visualizações: 1001050

Pages: 1 2 3 4 5

Pages ( 1 of 5 ): 1 2345Next »